Brasil Kia Linha 2018 Manutenção Matérias NA Preços Veículos Comerciais

Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

kia bongo 11 - Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

Com o trânsito cada vez mais carregado nas grandes cidades, veículos maiores acabam sendo alvo de reclamação por parte de outros motoristas, já que o espaço que ocupam é bem maior. Para resolver isso, foi criada a chamada lei do VUC.


VUC é a sigla para Veículo Urbano de Carga, e serve para designar os veículos autorizados para esse tipo de transporte dentro do perímetro urbano. Na cidade de São Paulo, por exemplo, o , de 10 de maio de 2007, dizia que eles poderiam ter 2,20 m de largura máxima e 6,30 m de comprimento máximo, além de um limite de emissão de poluentes.

Mas, com o tempo, algumas solicitações foram feitas para que o comprimento máximo fosse alterado. Depois de discussões com representantes do segmento e com a Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (ANFIR), esse limite passou de 6,30 m para 7,20 m. Em outras cidades, porém, esse limite pode ser diferente. No Rio de Janeiro, as medidas máximas permitidas em algumas áreas são de 2,70 m (largura máxima) e 7,20 m (comprimento máximo).

Dentro dessas medidas está o Kia K2500, também conhecido como Bongo. Feito para atender as necessidades de quem trabalha com cargas e precisa fazer entregas ou outros deslocamentos dentro de grandes centros urbanos, o modelo oferece tração traseira e a capacidade máxima de carga de 1.812 kg. Ele é vendido em versão única no Brasil, por R$ 74.990, e pode ser dirigido por quem tem a Carteira Nacional de Habilitação na categoria B, a mesma dos veículos de passeio.


O Kia K2500, como é chamado atualmente, começou a ser produzido pela marca sul-coreana em 1980, quando já era chamado por lá de Bongo. Seu desenho inicial era bem diferente do que vemos hoje, com uma frente mais “quadrada”, característica da marca na época, o que também era visto nos faróis e na grade. No lançamento, havia apenas a opção do motor 2.2 diesel, com 70 cv. Alguns anos mais tarde, em 1985, um motor 1.4 a gasolina também passou a ser oferecido na linha.

Em 1987, o propulsor movido a diesel aumentou para 2,4 litros, oferecendo agora 80 cv. Isso fez inclusive com que a marca mudasse o nome de Bongo para Power Bongo, destacando tal mudança na potência e fazendo com que essa geração sobrevivesse até dezembro de 1993. Nesse meio tempo a marca também lançou a versão especial Ceres, que tinha tração traseira nos primeiros anos de fabricação, mas depois permaneceu apenas com a tração integral, que era a mais requisitada. Ela foi exportada para vários outros mercados, como Filipinas, Austrália, Turquia e alguns países na América Latina.

A nova geração do K2500 (Bongo) foi lançada em 1989, recebendo alguns anos depois um novo motor 2.7 para sua linha. Uma versão para passageiros, chamada Best-A, também foi lançada. O curioso é que esse nome, originalmente, era escrito exatamente assim: Best-A (a letra A maiúscula ficava separada do restante, indicando a expressão “Best A”). Mas o que acabou se popularizando por aqui, como nós conhecemos bem, foi a junção que originou o nome Besta. De início, a van tinha motor 2.2 diesel de 62 cv, mas em 1994 ela acabou recebendo também o propulsor 2.7 de 80 cv.

Depois disso, em 1997, chegou a terceira geração do modelo, que recebeu o nome Bongo Frontier. Uma versão com tração nas quatro rodas apareceu depois, encerrando a produção da já citada versão Ceres. O motor usado nessa terceira geração ainda era o 2.7 de 80 cv, mas havia a opção de equipá-la com outro mais potente, um 3.0 de 90 cv. Em 2000, veio o primeiro facelift dessa geração, deixando seu visual menos quadrado e mais moderno.

Finalmente, em 2005, veio a quarta e atual geração do Kia Bongo, ou K2500. Curiosamente, essa quarta geração era vendida como Bongo III (o que era um pouco confuso), recebendo novas alterações visuais e uma linha de motores mais eficiente. As leis mais rígidas em relação à emissão de poluentes foi acabando com várias versões, que pouco a pouco foram saindo de linha. Por alguns meses, entre o final de 2011 e o começo de 2012, o modelo praticamente deixou de existir, mas depois voltou, agora dentro das novas regras. Em 2014, novas alterações foram feitas, com a opção dos motores 2.5 de 130 cv ou 2.7 diesel de 80 cv, além de uma nova transmissão manual de seis marchas.

Em nosso país, o modelo chegou na década de 1990, ainda com o nome Ceres, sendo mudado mais tarde para Bongo, ou K2500. Sua aceitação foi muito boa desde o começo, o que apenas cresceu com o aumento das já citadas leis que impedem a circulação de caminhões em grandes centros urbanos. A expectativa atual da marca é vender cerca de 2.000 unidades por ano, mas isso não parece quase nada quando falamos sobre os números de alguns anos atrás.

Em 2011, o K2500 atingiu seus melhores números no Brasil, chegando a 10.029 unidades vendidas. Isso lhe rendeu um 14º lugar entre todos os comerciais leves e o 4º lugar em seu segmento, ficando apenas 302 unidades atrás do grande rival Hyundai HR. Mas esses números nunca mais se repetiram, sendo fortemente afetados por diversos fatores, especialmente a crise que atingiu o país. No ano seguinte, em 2012, foram 5.866 unidades, e esse número continuou caindo: 3.636 em 2013, 4.081 em 2014 (ligeiro aumento), 2.410 em 2015, 1.372 em 2016 e 1.650 e 2017. Até abril de 2018, o modelo já havia emplacado 578 unidades.

Kia K2500 2018 – detalhes

Kia K2500 2018 2 - Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

O Kia K2500 2018 segue a receita básica para fazer sucesso nesse segmento: um modelo com boa capacidade de carga, posição de dirigir confortável (parecida à de uma picape) e detalhes que facilitem a vida de quem o usa para o trabalho. É um veículo simples, mas que entrega exatamente aquilo que seu comprador espera.

Com produção terceirizada para a empresa uruguaia Nordex desde 2010, o Kia K2500 2018 deixou de ser feito por quase um ano, mas retornou às linhas de montagem no ano passado. O modelo atual conta com um visual bem parecido ao que vimos nos anos anteriores, com ligeiras mudanças. Entre elas estão os faróis escurecidos e uma nova grade frontal, com detalhes cromados. A área envidraçada do modelo também é um ponto positivo, pois facilita as manobras e a visão no trânsito, e as rodas são de aço e tem 15 polegadas, com pneus 195/70.

O espelho retrovisor tem bom tamanho e é bipartido, o que oferece mais visibilidade nas manobras, em relação à parte inferior do veículo. A parte traseira, como pode ser visto nas fotos, é preparada para receber uma caçamba, que pode ser de vários materiais e tipos diferentes, aberta ou fechada. E esse é um detalhe que o comprador iniciante desse segmento precisa saber: é necessário um investimento, que varia entre R$ 10.000 e R$ 15.000, para deixar o Kia K2500 pronto para o trabalho, pois ele não vem com caçamba.

O interior do modelo é simples, mas bem funcional e relativamente confortável. Com espaço originalmente para até 3 passageiros (ou mais, caso sejam feitas modificações), ele conta com travas elétricas, descanso de pé, alças de acesso, direção hidráulica, porta-objetos e porta-copos nas portas, além de airbag duplo e freios ABS com EBD no quesito segurança. A posição de dirigir também é elogiada, especialmente por ter ajuste no encosto dos bancos. O encosto do terceiro banco, aliás, tem uma função interessante: quando rebatido, ele vira uma mesa/bandeja com dois porta-copos. Já o volante não tem nenhum comando.

Kia K2500 2018 – versões

  • Kia K2500 2018 (K.788)

O Kia K2500 conta, em sua linha atual, com apenas uma versão, denominada de K.788. Ela é ano 2018, modelo 2019, e vem com motor 2.5. A ideia da marca é concentrar as vendas em apenas uma versão e retomar os bons números de anos anteriores, como citado acima.

Apesar da versão única, o K2500 pode receber diversos tipos de caçambas, que podem transformá-lo no veículo ideal para o tipo de trabalho desejado.

Kia K2500 2018 – equipamentos

kia bongo 2 - Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

O Kia K2500 2018, ou Bongo, vem com uma razoável lista de itens de série. Os destaques são a chave tipo canivete com abertura e travamento das portas a distância, vidros elétricos com comando nas portas, airbag duplo frontal, freios ABS com EBD e direção hidráulica progressiva.

Veja abaixo a lista completa de itens de série:

Acendedor de cigarros, duas alças de acesso à cabine, aviso sonoro de chave no contato e porta aberta, banco do motorista com ajuste manual, console central com descansa-braço rebatível e porta-objetos com 2 porta-copos, conta-giros, duplo porta-objetos na tampa do porta-luvas, encostos de cabeça com ajuste de altura, freio de estacionamento com acionamento manual no console central, luz interna com efeito fade-out, odômetro digital com medições parciais A e B, painel dianteiro com detalhes na cor cinza, porta-objetos e porta-garrafas nas portas, preparação para o sistema de som com 2 alto-falantes, relógio digital no conjunto de mostradores, revestimento do assoalho em carpete, revestimento dos bancos em vinil, ventilação forçada com recirculação e 4 velocidades, vidros com comando elétrico nas portas, antena do rádio na coluna A, esguicho do lavador do para-brisa incorporado ao braço do limpador, faróis com lâmpadas halógenas e lentes de policarbonato, filtro de ar com admissão tipo Snorkel, grade dianteira com detalhe cromado, limpador do para-brisa com acionamento intermitente de frequência variável, para-choque dianteiro na cor do veículo, retrovisores externos bipartidos com espelho convexo complementar, rodas de aço aro 15” (rodeiro simples) com pneus 195/70, acelerador eletrônico tipo Drive-by-Wire, airbag frontal duplo, barras de proteção contra impactos laterais, cintos de segurança de 3 pontos para o motorista e passageiros, direção hidráulica progressiva, embreagem com acionamento hidráulico, freios a disco ventilados na dianteira e a tambor na traseira com ABS e EBD, freios traseiros com válvula proporcionadora sensível a carga – LSPV, proteção estrutural da cabine em “T” contra impacto frontal, sistema de proteção contra descarga da bateria e sistema imobilizador de ignição.

Kia K2500 2018 – preço

A versão única do Kia K2500 2018 tem preço sugerido de R$ 74.990 para todo o Brasil, exceto o estado do Amazonas, onde o valor é de R$ 76.800, por questões tributárias.

Esse valor está um pouco acima do que é cobrado pelo seu principal concorrente, o Hyundai HR, que sai por R$ 73.720. Montado em Anápolis (GO), o HR compartilha o mesmo conjunto mecânico (motor 2.5 de 130 cv e câmbio de seis velocidades), mas tem chassi 2,5 cm mais longo.

Outro modelo que compete no mesmo segmento é o JAC V260, que sai por R$ 71.990. Ele oferece uma capacidade de carga menor (1.510 kg), além de um motor mais fraco (2.0 16V diesel de 95 cv), mas apresenta uma lista de itens de série com opções que seus concorrentes não tem, como ar-condicionado e a interessante JAC Connect Front Camera, que atua em conjunto com o aplicativo JAC View e registra fotos e filmes com áudio de todos os percursos percorridos.

Kia K2500 2018 – motor

O motor que equipa o Kia K2500 2018 é um D4CB 2.5 litros Turbodiesel Intercooler, com 4 cilindros em linha e 16 válvulas. Ele tem taxa de compressão de 16,4:1, o que lhe rende 130,5 cv a 3.800 rpm e 26 kgfm de torque a 1.500 rpm. Esse propulsor é associado a uma transmissão manual de seis velocidades e tem tração 4×2, dando ao Kia K2500 um desempenho interessante dentro do segmento.

Esse propulsor conta com cabeçote de alumínio e com duplo comando de válvulas, e o sistema de alimentação é Common Rail. Além disso, o motor tem sistema de pós-tratamento de gases, o que elimina a necessidade de usar o reagente Arla 32. Ele pode ser abastecido com diesel S10 ou S50, sendo que o primeiro é o mais indicado. Já o câmbio de seis velocidades possui as seguintes relações: 1ª – 4,271; 2ª – 2,248; 3ª – 1,364; 4ª – 1,000; 5ª – 0,823; 6ª – 0,676; ré – 3,814; final – 4,444.

A suspensão dianteira é independente com barras de torção, barra estabilizadora e amortecedores a gás, enquanto a traseira é de eixo rígido com feixe de molas semielípticas e amortecedores a gás. A direção é hidráulica, tipo pinhão e cremalheira, com 4,93 m de raio de giro.

Os freios são a discos ventilados na frente e tambor na traseira, enquanto as rodas tem furação 5.5J e 15 polegadas, tanto na frente quanto atrás, com pneus 195 R15 – 8PR. O chassi é de longarinas de aço estampado com perfil retangular (duplo C) e travessas tubulares, enquanto cabine e carroceria são de chapa de aço estampado.

Um detalhe interessante, e que facilita a vida de quem faz uso constante do Kia K2500 no trabalho, é o fácil acesso aos reservatórios e ao macaco, graças à tampa dianteira entre os faróis.

Kia K2500 2018 – desempenho

Kia K2500 2018 5 - Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

O objetivo de quem compra algo nesse segmento, como o Kia K2500 2018, não é necessariamente ter um modelo com desempenho tão impressionante, pois é um veículo voltado ao trabalho. É exatamente por isso que não podemos esperar números tão bons em aceleração e velocidade final.

No caso do modelo da Kia, são necessários 18 segundos para atingir os 100 km/h, enquanto a velocidade final fica em 150 km/h. Mas o que deve ser mais importante para o dia a dia com o K2500 é sua disposição em baixas rotações. Como normalmente acontece em motores movidos a diesel, os 26 kgfm de torque estão disponíveis ao motorista logo a 1.500 rotações por minuto.

Kia K2500 2018 – consumo

Segundo dados do Inmetro, em sua tabela atual do PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem), o Kia K2500 apresenta um consumo de 8,6 km/l na cidade e 9,8 km/l na estrada, o que lhe rendeu classificação “E” (a mais baixa).

Kia K2500 2018 – manutenção e revisão

Kia K2500 2018 3 1 - Kia K2500 2018: detalhes, equipamentos, preço, revisão e fotos

 

A Kia costuma destacar que o K2500 2018 tem garantia de 3 anos ou 100 mil km, o que ocorrer primeiro. A tolerância é de 500 km a menos ou a mais da quilometragem recomendada.

A tabela de revisões disponível no site da marca, que vale para os veículos feitos a partir de 2017, fala sobre o preço fixo das revisões até 30 mil km. O preço das peças varia pouco, mas o que assusta mesmo é o custo da mão de obra.

A primeira revisão, feita com 10 mil km, envolve a troca do filtro de óleo, anel bujão, óleo do motor ACEA C3 5W30 e filtro de combustível. Todas essas peças saem por R$ 484,61, e a mão de obra é gratuita. Já a revisão dos 20 mil km, que acrescenta a troca do filtro de ar do motor, tem custo de R$ 566,52 para as peças e salgados R$ 510,00 para a mão de obra, totalizando R$ 1.076,52. Finalmente, a revisão dos 30 mil km troca os mesmos itens da primeira revisão (tendo o mesmo custo de peças), mas cobra R$ 300,00 de mão de obra, totalizando R$ 784,61.

A marca também deixa claro, através de seu site, que “itens de desgaste natural (pastilhas, discos, baterias, amortecedores, etc.) não estão acobertados pela garantia contratual e, assim sendo, não estão incluídos nos preços das revisões.”

Kia K2500 2018 – ficha técnica

Motor

2.5 Turbodiesel

Tipo

D4CB 2.5 L Turbodiesel Intercooler

Número de cilindros

4 em linha

Cilindrada em cm3

2.497

Válvulas

16

Taxa de compressão

16,4:1

Injeção eletrônica de combustível

Direta

Potência Máxima 

130,5 cv @ 3800 rpm

Torque Máximo  

26 kgfm @ 1500 rpm

Transmissão

Tipo

Manual, 6 marchas sincronizadas

Tração

Tipo

4×2

Freios

Tipo

Disco ventilado (dianteiro) e Tambor (traseiro)

Direção

Tipo

Hidráulica, pinhão e cremalheira (4,93 m de raio de giro)

Suspensão

Dianteira

Independente com barras de torção, barra estabilizadora e amortecedores a gás

Traseira

Eixo rígido com feixe de molas semielípticas e amortecedores a gás

Rodas e Pneus

Rodas

Aço, 15 polegadas (5.5Jx15)

Pneus

195/70 R15

Dimensões

Comprimento total (mm)

4.825

Largura (mm)

1.740

Altura (mm)

1.995

Distância entre os eixos (mm)

2.415

Capacidades

Porta-malas (litros)

Não se aplica

Tanque (litros)

60

Carga útil (kg)

1.812

Peso em ordem de marcha (kg)

1.862

Coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx)

ND

Kia K2500 2018 – fotos

 

4.0
COMPARTILHAR:
  • mjprio

    Não disponibilizar AC pra um carro desses é dose! Acho que tinha que ter direção elétrica também pra ajudar o trabalhador nas manobras.
    Vi nos modelos novos que o adesivo identificador do modelo e versão é feio demais

Quem somos

O Fotocampus é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email